Como o tesouro direto pode te livrar das dívidas

Classifique esse post

O tesouro direto, assim como a clássica caderneta de poupança pode ser um aliado para você se livrar das dívidas, entenda um pouco mais sobre o que é o tesouro direto e como investir nele.

O que é o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um Programa do Tesouro Nacional criado em conjunto com a BM&F Bovespa com o objetivo de vender títulos públicos federais a pessoas físicas, por meio da internet.

O  Programa, lançado em 2002, tem como maior objetivo generalizar o ingresso aos títulos públicos,  permitindo aplicações com somente R$ 30,00. Até então, o investimento em títulos públicos por pessoas físicas era viável apenas indiretamente, por intermédio de fundos de renda fixa que, pelas altíssimas taxas de administração, principalmente em aplicações de baixo valor, reduziam a atratividade desse tipo de investimento.

Vantagens

A maior vantagem de se investir em títulos do Tesouro Direto é a segurança, o baixo risco de investimento. Com toda certeza, esse tipo de investimento é o que oferece o menor risco diante da economia do país, já que o Tesouro Nacional garante 100% do valor investido. É importante frisar que o Brasil é considerado grau de investimento pelas agências de classificação de risco mais conceituadas do mundo: Fitch, Moody’s e S&P.

Sendo assim, ao adquirir um título, você está emprestando dinheiro diretamente ao Governo Federal e ele é o último a te deixar na mão, já que, antes de o Governo dar calote, as outras instituições financeiras irão falir, tais como bancos, associações e corretoras.

Cabe ressaltar que uma vez adquiridos os títulos públicos, eles são registrados sob titularidade do comprador no ambiente seguro da BM&FBOVESPA. Com isso, dá-se uma maior sensação de segurança, pois permite ao investidor mudar de instituição financeira, na eventualidade de problemas com o seu agente intermediário original, sem colocar em risco a sua aplicação.

Sem Taxas

Ao aplicar seu dinheiro no Tesouro Direto, há agentes de custódia que NÃO cobram nenhuma taxa administrativa. Logo, vale a pena perder um tempo pesquisando as melhores instituições, já que há bancos que cobram até 2% de taxa administrativa.

Liquidez

O Tesouro Nacional assegura a recompra diária dos seus títulos públicos. Logo, você poderá vender antecipadamente os títulos adquiridos no Tesouro Direto ao Tesouro Nacional, todos os dias, a preços de mercado.

Essa funcionalidade de venda dos títulos pelos investidores será aberta todos os dias úteis, a partir das 18h, e encerrada às 5h do dia seguinte. Nos fins de semana e feriados, essa opção será ofertada o dia inteiro. As transações serão executadas sob os últimos preços de fechamento de mercado disponíveis.

A liquidação da venda ocorrerá em D+1, onde D representa o dia em que a operação de venda pelo investidor foi realizada. Se essa operação tiver sido realizada nos fins de semana ou feriados, a liquidação ocorrerá no dia útil subsequente.

Flexibilidade

Há 3 (três)  tipos de rentabilidade: títulos prefixados, indexados à SELIC ou indexados à inflação (IPCA). Com isso, você tem uma maior flexibilidade para planejar seus investimentos, podendo adequar seus aportes de acordo com o momento atual da economia.

Baixo Investimento

A quantidade mínima de compra é a fração de 0,01 título, ou seja, 1% do valor de um título, desde que respeitado o valor mínimo de R$ 30,00. O investidor pode comprar 0,01 título; 0,02 título; 0,03 título; 0,04 título e assim por diante.

Desvantagem

Como nem tudo são flores, o Governo recolhe grande parte do seus lucros com dois impostos: Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF), para resgates da aplicação em menos de 30 dias, e o Imposto de Renda (IR), com alíquota regressiva a depender do prazo do investimento, da seguinte maneira:

  • 22,5% para aplicações com prazo de até 180 dias;
  • 20% para aplicações com prazo de 181 dias até 360 dias;
  • 17,5% para aplicações com prazo de 361 dias até 720 dias;
  • 15% para aplicações com prazo acima de 720 dias.

Há incidência de impostos sobre os rendimentos financeiros auferidos na venda antecipada, no pagamento de cupom de juros (O IOF não incide sobre os cupons de juros; somente o IR) e no vencimento dos títulos.

Os dias para efeito de incidência de imposto de renda são contados a partir da data da compra. Portanto, com relação aos cupons de juros, serão aplicadas as alíquotas do Imposto de Renda previstas, com o prazo contado a partir da data de início da aplicação.

No caso do IOF, segue tabela de tributação:

Dias % Dias % Dias %
1 96 11 63 21 30
2 93 12 60 22 26
3 90 13 56 23 23
4 86 14 53 24 20
5 83 15 50 25 16
6 80 16 46 26 13
7 76 17 43 27 10
8 73 18 40 28 6
9 70 19 36 29 3
10 66 20 33 30 0

Como investir?

É muito simples investir no Tesouro Direto. O passo inicial e básico é ter CPF ativo e conta corrente em alguma instituição financeira que pode ser tanto um banco como uma corretora que será seu agente de custódia responsável para intermediar suas transações. Então faça o cadastramento com sua instituição escolhida e você receberá uma senha da BM&Fbovespa para acesso à área restrita do Tesouro Direto. A partir daí você tem 3 (três) opções para realizar seus investimentos:

1 – Através do site do Tesouro Direto: com a sua senha, você acessa a área restrita do site e realiza a compra, a venda, a programação de investimentos, a consulta de extrato, dentre outras transações;

2 – Através do site da sua Instituição Financeira: algumas instituições habilitadas integraram seus sites ao do Tesouro Direto, tornando-se um agente integrado. Isso significa que você pode comprar e vender títulos públicos no site da própria instituição financeira, a qualquer momento, com os mesmos preços e taxas do site do Tesouro Direto.

3 – Por meio de sua Instituição Financeira: você autoriza sua instituição financeira a negociar títulos públicos em seu nome. Procure saber se a instituição que você escolheu oferece essa funcionalidade. Quer investir em outra modalidade lucrativa? Procure por cdb, estude esse investimento que pode ser muito promissor.

Observações importantes

Não há limite financeiro para venda e  o valor máximo para aplicação é R$ 1.000.000,00 (um milhão)  por mês.

O Tesouro Direto será sempre uma opção a ser considerada quando se quer investir com segurança. É fato que quando se tem um patrimônio considerável é necessário realocar seus investimentos em diferentes frentes e esta mescla deve ocorrer até mesmo quando se fala apenas em renda fixa.  Atualmente, a única opção que não deve ser cogitada é a caderneta de poupança, visto que lá seu dinheiro vai virar pó com o aumento da SELIC e com a manutenção de sua taxa de rendimento baixíssima. Deve-se sempre levar em conta a situação atual da economia e procurar as melhores taxas com os menores prazos.

Escreva seu Comentário